STOPOVER o que é e como fazer? Sim, dá para economizar.

 

Olá galera tudo bem, esse deve ser um post bem rápido. Nele vamos falar sobre STOPOVER! (O que é isso?)

Stopover, nada mais é que uma conexão entre voos longos, trocando em miúdos é o caso no qual é possível dar uma paradinha conhecer o local e seguir no mesmo vôo.

Vem do inglês: “Stop Over” traduzindo ao pé da letra “Parar sobre”.

A grande vantagem de usar esta técnica é não precisar pagar mais um aéreo para conhecer um novo lugar e assim economizar bastante. (O aéreo normalmente consome uma parte considerável dos recursos financeiros de uma viagem).

Então, vamos rapidinho fazer um stopover na Cidade do Panamá?!

A primeira coisa a ter em mente antes fazer a paradinha é saber se o seu vôo terá conexão. Se tiver, veja se a companhia aérea disponibiliza um tempo grande entre as conexões. Sabe aqueles vôos com conexão looonga de 5 horas ou mais?! Então, a dica é aproveitar o tempo, ter coragem e sair do aeroporto.

Claro, antes de tudo, tenha a ciência de se lembrar de deixar tempo para as filas como:

1- Sair do avião, 2- imigração, 3- preencher ficha na entrada do país, 4- tempo de deslocamento para ida e volta do aeroporto – cidade – aeroporto, 5- novamente imigração, 6- embarque; ufa é isso!

Se planejar direitinho e usar essa lista como base dá tempo de esticar as pernas durante a conexão e conhecer mais um destino sem gastar nada a mais de aéreo por isso.

Se a conexão durar mais de 24 horas fica ainda mais fácil de fazer o Stopover.

Agora vamos falar um pouco sobre o Panamá.

Cidade do Panamá

Curiosidades:

Em relação ao nome da moeda panamenha ela se chama Balboa e tem um valor equivalente ao dólar americano que acabou virando moeda corrente no Panamá (1 USD = 1 Balboa), isso quer dizer que se você tiver dólares americanos não precisa trocar a moeda, pode usá-los tranquilamente.

Locomoção:

Para se locomover o principal meio de transporte é o rodoviário. Pois é, apesar da cidade ser famosa pelo canal marítimo mais importante do mundo, o melhor jeito de conhecer a

cidade é de carro ou a pé. ficou devendo em relação ao metrô. Ele até existe, mas

não passa pelo aeroporto. Para contornar isso há uma van gratuita que leva e traz

passageiros do aeroporto até o Metro Mal, o detalhe é que ela só começa a circular a partir das 10 da manhã e faz o circuito de meia em meia hora até o shopping. Se você quiser só ir as compras pode utilizar esse serviço gratuito. Mas se você quiser conhecer o famoso canal do panamá e ver os navios cruzando é melhor deixar as compras para depois porque nesse horário (próximo das 10:00) os navios estão passando pelo canal e você pode perder a travessia deles. E como nossa viagem foi express pretendíamos conhecer um pouco mais da cidade também.

Por isso o melhor jeito foi contratar um guia turístico local que leva para o canal e faz um citytour além de te deixar de novo no aeroporto sem muitas dificuldades.

Aqui recomendamos o serviço do Joel Mosquera que foi muito simpático e prestativo e por isso cartão dele está no vídeo assim você não precisa se preocupar tanto com o deslocamento. Ele também já conhece os caminhos e sabe um monte sobre a história da cidade, do país e do canal; além do city tour.

O que ver na Cidade do Panamá?

O canal é um tanto quanto “obrigatório” né?! A entrada custa 15 dólares ou 15 balboas (2017).

Quando chegar ao canal é um bom momento para dar uma parada na correria até porque os navios cruzam o canal vagarosamente… pelo menos é essa a impressão! Na verdade o que ocorre é que são três conjuntos de comportas que devem encher e esvaziar cada vez que um navio passa é preciso lembrar que são milhões de litros que unem os dois oceanos e são navios colossais, então demora para encher e esvaziar o canal. Ainda não é possível encher tudo de uma só vez ou então poderia ocorrer um desastre se os navios virassem. Seria necessário algo como um tsunami para encher tudo de uma só vez, melhor não né?! Rsrs.

O canal é considerado uma das sete maravilhas do mundo moderno. Durante a visita em Miraflores é possível conhecer mais sobre o canal e sobre o país. Tem um filme que fala sobre a expansão do canal, com duração de 15 minutos e vale a pena assistir até mesmo pelas imagens estarem aceleradas e você poder ver um navio cruzando o canal de forma acelerada, ou ainda como opção se você chegar lá e não tiver como ver os navios atravessando por conta de seu horário, este filme do museu vai suprir isso. Claro, ao vivo é melhor, mas as imagens aceleradas ajudam a economizar bastante o tempo. (é um stopover lembra?).

Falando um pouco de história… você sabia que o canal foi primeiramente pensado por um espanhol no século XVI?  Pois é, Vasco Nunes de Balboa (daí o nome da moeda) foi quem pensou em construir um canal ali. Ele verificou que só faltavam cerca de 100 Léguas (que dá uns 450 Km + ou -) para conseguir unir as Águas dos Oceanos. Ideia que o imperador espanhol comprou e assim começaram as tentativas de abrir o canal. Mas ele não conseguiu. Depois vieram os franceses em 1881, mas dentre os motivos que impediram a conclusão faço um destaque para um mosquitinho bem conhecido dos brasileiros por sinal. O Aedes Aegypti. Ele transmite a febre amarela e a malária, doenças que mataram mais de 25 mil trabalhadores – o que inviabilizou a obra.

Daí a importância das campanhas de vacinação. Apenas em 1904, quando as doenças foram controladas é que os americanos retomaram a construção e com uma nova equipe da marinha americana (vacinada) concluíram o canal em 1914. Ele se estende por 77 quilômetros e a travessia total de ponta a ponta leva de oito a dez horas. Há uma taxa que é paga de acordo com o peso para atravessá-lo. A mais barata foi paga por um nadador! Richard Halliburton em 1928 que pagou para atravessar o canal a nado a bagatela de 0,36 centavos! (O cara nadou 77 Km).

Bom, se você quer saber mais sobre o Panamá deixe aí nos comentários porque nossa hora de embarcar já chegou, Hasta Luego!

AFRICA ASIA EUROPE NORTHAMERICA OCEANIA SOUTHAMERICA

Deixe aqui seu comentário