Vietnã – como é o Museu da Guerra

Neste Post vamos falar sobre Guerra, mais especificamente a guerra do Vietnã.

Visitamos o Museu da Guerra – War Remnants – em Ho Chi Min e trouxemos um pouco do aprendizado para você.

Aqui tivemos a curiosidade e a oportunidade de ir a um Museu da Guerra e entrar em um campo de concentração.

A primeira coisa a se notar neste museu é a sensação que ele nos traz. Parece que você está em um jogo de guerra em 3D (Aliás igual ao Command and Conquer Zero Hour, antigo, mas muito legal. Fica a dica para quem joga games de estratégia).

Bom, aqui você vê as unidades de combate tal como elas são. Isto é a fonte de onde o jogo tirou todos aqueles armamentos e diferentes arsenais.

Contextualizado:

Você provavelmente já ouviu falar da segunda guerra mundial. E o seu período de pós-guerra que gerou a bipolaridade entre Estados Unidos e União Soviética.

O que você provavelmente não ouviu falar foi que esta guerra afetou um país que não tinha NADA A VER com a história dela. Falamos sobre o Vietnã.

Antes da Segunda Guerra Mundial eles já estavam em Guerra contra a França. Por conta disto já existiam os campos de concentração no Vietnã desde o século XIX. . Mas a coisa se agravou mesmo em 1930 até 1945. Quando tem o relato da primeira guerra entre a Colônia vs Metrópole. O Motivo dela? Independência. Eles estavam cansados de ser uma mera colônia francesa.

Acontece que a França se rendeu, digo, foi invadida mesmo, pela Alemanha durante a segunda guerra mundial. E os países do eixo tomaram controle sobre as colônias francesas, dentre elas o Vietnã.

Neste fatiamento o Japão, aliado da Alemanha, foi quem tomou o controle sobre o Vietnã. Pois ele fazia parte dos países que compuseram o eixo. Mas os vietnamitas não estavam apenas a fim de mudar de mãos, eles queriam mesmo era a sua independência. Por isso os próprios vietnamitas decidiram dividir o território em dois. Vietnã do Norte, cuja capital era Hanói. E Vietnã do Sul, cuja capital era Saigon (Atualmente Ho Chi Min). É aquela história de dividir para conquistar sabe? As duas partes se comprometeram a se reunificar em 1956 com eleições gerais, esperava-se que já tivessem colocado os invasores para correr (Sejam da França, do Japão ou outros). Porém isso não aconteceu. Pelo contrário, acabou por gerar uma guerra civil interna. Foi aí que entraram Estados Unidos e União Soviética para por mais lenha na fogueira. Cada um escolheu uma parte para “ajudar”. Os Estados Unidos foram ajudar o Vietnã do Sul e a União Soviética foi ajudar o Norte.

Resumindo: houve guerras contra: França, Japão, Vietnã, Estados Unidos e União Soviética. Era Guerra para todo o lado! Por conta disto Ho Chi Min (líder vietnamita) convocou toda a população para lutar! E lançou o slogan “Independência ou Morte” (E você achando que este slogam era exclusividade brasileira…)

Até 1964 as “superpotências só davam apoio”. Mas os EUA resolveram entrar na guerra de vez. Acredita-se que os motivos eram:

  • Testar o seu novo armamento.
  • Demonstrar força para os demais países.
  • Obter influência geopolítica na região.

Mas eles resolveram entrar logo de voadora, quer dizer, de bombardeio aéreo. Foram lançadas 3 vezes mais bombas no Vietnã do que em toda a segunda guerra mundial. Estima-se que foram 6.7 milhões de toneladas de bombas só sobre o Vietnã (ao longo de mais de 10 anos de guerras). Além disso foram despejadas cerca de 80 milhões de litros de toxinas no território. Já que não conseguiam encontrar os vietcongues a ideia era matá-los onde eles estivessem. Por isso as estratégias incluíram: bombardeio aéreo, (evitando o confronto homem a homem); fogo para queimar as matas e revelar os esconderijos; e a toxina para evitar daquele terreno que foi queimado voltar a ter uma cobertura vegetal e dificultar as ações americanas.

Cara, acho que isso é mais do que “A explosão Galática” (golpe do Saga de Cavaleiros do Zodíaco).

Sabe a foto aí de cima em preto e branco com crianças correndo e um fogaréu atrás? Pois bem, ela foi tirada logo após um ataque napalm. E a foto correu pelo mundo mostrando os horrores de uma guerra sem sentido. Em que nenhuma das superpotências queria ceder e deixar a região se tornar uma nação independente. E graças a esta foto, mais a cobertura de imprensa mais a insatisfação popular nos Estados Unidos, onde o povo foi para as ruas pedir o cessar fogo e a retirada do exército americano. fez com que finalmente os EUA recuassem e começassem a retirada do exército. Em 1973 os EUA assinaram o cessar fogo e começaram a retirada das tropas. O que ainda levou a uns 2 anos.

E com a retirada das tropas americanas o Vietnã do Norte com o “apoio” da União Soviética reconquistaram o Vietnã do Sul e fundaram a República Socialista do Vietnã.

E esta é considerada a maior “derrota americana”internacional.

Particularmente, eu acho que a derrota foi da França, do Japão, da União Soviética, dos Estados Unidos e principalmente do Vietnã, que teve a sua casa bagunçada e ninguém ficou para ajudar a arrumar depois da baderna. Não acho que houve vencedores. Para mim todos perderam.

As toxinas derramadas causam efeitos colaterais até hoje na fauna e na flora. (mais de 40 anos depois), e é visível seus efeitos nos seres humanos como aumento de abortos, parkinson, malformação de fetos.

Bom, fica aí a reflexão do quanto será que evoluímos ou aprendemos, já que tivemos guerras no Iran, Iraque, Síria, Afeganistão. Será se estas guerras não estão sendo motivadas simplesmente por interesse de teste bélico? Será se há uma teoria da conspiração por trás? Deixo aí para quem quiser opinar nos comentários sobre o assunto.

Prometo que o próximo post sobre o Vietnã será sobre a experiência da viagem e não falarei nada sobre guerras ok?!

Bom e recentemente ouvi que o Vietnã está sob o comando de sua vice-presidente. Espero que as coisas melhorem por lá. Que o por do sol continue tão lindo como sempre foi. Boa sorte para Danh Thi Ngoc Thinh a nova governante.

Até o próximo post!

Clique no mapa e veja outros posts. 😉

AFRICA ASIA EUROPE NORTHAMERICA OCEANIA SOUTHAMERICA

 

Um comentário em “Vietnã – como é o Museu da Guerra

Deixe aqui seu comentário